86S3kuextR2S3YWJ_kx2UbklxpY

sexta-feira, 21 de julho de 2017

5 dicas dos Millennials para a geração Z

Segundo a Deloitte, 70% dos Millennials veem a entrada da geração Z no mercado de trabalho de forma positiva - e dão alguns recados para os mais jovens.
 
 
Seis anos após o início do estudo chamado Millennial Survey, desenvolvido pela Deloitte, os Millennials deixaram de ser a “nova geração”. Aos poucos, eles passam a ser adultos — apesar de ainda serem jovens. Contudo, a geração que começa a entrar no mercado e a impactar as relações de consumo atualmente é a Z.
Mas o que será que os Millennials pensam sobre os jovens Z? A Deloitte teve essa curiosidade e considerou que, talvez por causa das percepções de que os mais jovens têm habilidades com tecnologia e uma mente criativa, 61% acredita que a presença da geração Z será positiva para o espaço de trabalho. O número aumenta para 67% entre os Millennials que ocupam cargos sênior.
Em mercados emergentes, 70% dos Millennials veem a entrada da geração Z no mercado de trabalho de forma positiva. Em mercados mais maduros, esse número equivale a 52%.
Apesar de serem também parte da juventude, existem algumas dicas que os Millennials podem dar à geração Z. A Deloitte perguntou a eles quais conselhos relacionados à carreira eles dariam. Confira:
– Aprenda o quanto puder: comece sua carreira com a mente aberta e esteja pronto para aprender com os outros.

– Trabalhe duro: Dê o seu melhor, não seja preguiçoso.

– Seja paciente: Respeite o seu tempo quando fizer parte de uma equipe de trabalho e dê um passo de cada vez.

– Dedique-se: Tenha comprometimento com o sucesso e com a perseverança.

– Seja flexível: Esteja aberto para mudanças e disponível para tentar coisas novas.
 
Fonte: Consumidor Moderno

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Sebrae destina R$ 350 mi para empreendedorismo inovador e sustentável em 2017

O Sebrae destinou este ano R$ 350 milhões em ações e projetos destinados às micro e pequenas empresas que queiram se engajar no empreendedorismo tecnológico, inovador e sustentável.

Todos os anos, o Sebrae deve aplicar, no mínimo, 20% de seu orçamento global nessa área. Mas, nos últimos três anos, a média tem sido de 35%, segundo a entidade.

Os recursos poderão chegar aos pequenos negócios por meio de projetos desenvolvidos pelo Sebrae e seus parceiros em diversas áreas, de consultorias a subsídios. De acordo com o Sebrae, essa parceria pode, por exemplo, identificar os gargalos das empresas e apontar soluções. A meta do Sebrae em 2017 é atender 150 mil micro e pequenos empresários.

A estratégia é criar um ambiente de negócios no qual os investidores não tenham medo de investir nos pequenos negócios.
 
Fonte: http://istoe.com.br/sebrae-destina-r-350-mi-para-e

TRANSFORMACIÓN DIGITAL Y GRANDES ALMACENES. ¿QUÉ TENEMOS QUE HACER CON NUESTRAS TIENDAS?

A vector illustration of people shopping on black friday in a store
(Por Alicia Davara)
 
Los grandes almacenes en particular, los retailers en general, asumen ya la necesaria reubicación del negocio hacia la transformación digital. ¿Qué tenemos que hacer con nuestras tiendas? es la pregunta unánime en tiempos revueltos.
 
Pregunta dirigida aquí para  retailers con formato gran almacén. Podríamos aplicarla a cualquier otro concepto en el sentido clásico brick &  mortar, incluyendo los centros comerciales, de cuya desaparición se habla tanto en las últimas fechas.  Con cuatro términos a la moda, retail, transformación digital, omnicanalidad, experiencia de cliente.
Nadie que se precie como experto en el mundo del marketing- añadamos hoy digital- pierde oportunidad de introducir alguno de ellos, solos o en combinación, en sus discursos- o escritos- en público y en privado. Todos manejamos encuestas, demasiadas, y algunas, demasiado poco fiables, que nos están advirtiendo de iguales tendencias. Hablamos de la necesaria transformación digital.
 
Lo hemos escrito en otras ocasiones. A fuerza de escucharlo, los profesionales y empresas, son ya conscientes de la necesidad. Preparados, al menos en disposición, también. Pero sin la acción adecuada. En el proceso de transformación digital necesario en los sectores económicos en general, la posición de partida de las empresas españolas no es buena. En el sector retail, la complejidad aún es mayor.
 
EXPERIENCIA DE CLIENTE ¿EL PRECIO MANDA? Aunque cueste asumirlo, aún el consumidor español baraja esta variable como la de mayor importancia a la hora de realizar sus compras. Internet, el showrooming o webrooming, le permiten infinidad de comparaciones, consultas y peticiones de opinión en grupo, para determinar que ya pocos son los que compran sin más al primer precio que encuentran en su viaje hacia la compra.
Más allá, mientras que en el sector moda y en el segmento moda femenina, las tiendas de bajo precio atraen en España una cifra superior al millón de compradores al año, al otro lado del Atlántico, el consumidor americano busca antes la calidad que el precio, hasta el punto que la enseña favorita de los consumidores es la nada low cost cadena de grandes almacenes Nordstrom.
 
Grandes almacenes que ven en los últimos años su pérdida de cuota de mercado de forma permanente. Más acusada en el segmento de moda-textil, en el que otros formatos especialistas o outlets les llevan la delantera. Cuando no, y en tendencia creciente y a mayor velocidad, el canal electrónico. En el caso concreto de Estados Unidos, la evolución puede verse en el siguiente gráfico
 
 
Retail Textil Moda en USA por formatos de venta. Evolución cuota de mercado 
Textil moda grandes almacenes.cuota
En España, similar evolución podemos observar. Las últimas cifras del Informe sobre el sector textil-moda elaborado por Acotex, nos deja el siguiente gráfico sobre la evolución de la facturación en España por formatos comerciales:
 
moda por formatos 1
 
Y LOS DATOS DEL CANAL ECOMMERCE….
moda ecommerce
¿QUÉ TENEMOS QUE HACER CON NUESTRAS TIENDAS? 
De las dificultades de los conceptos de retail más clásicos, y el mejor ejemplo es el gran almacén, hemos hablado en otras reflexiones.
Ampliando a otros formatos,  RIS News, realizó una encuesta con Gartner, entre ejecutivos de cadenas de retail, en la que se muestra como primera conclusión la preocupación general de las cadenas brick & mortar sobre la mejora del valor de sus tiendas. 
Los profesionales del retail a pie de calle se preguntan: “¿Qué necesitamos hacer con nuestras tiendas?”
 
De nuevo es  Terry Lundgren, presidente ejecutivo de Macy’s, quién nos sirve como respuesta al principal enigma de los gestores de formatos tradicionales. El máximo gestor de Macy’s, cuya estrategia omnicanal ha sido analizada en estas páginas con frecuencia como mejor ejemplo en Estados Unidos de modelo de negocio en proceso de cambio, sigue optimista. La omnicanalidad, entendida como una gestión integrada dirigida al cliente omnichannel,  necesita inversión, recursos, tecnología y principalmente,  un cambio previo en el modelo, visiones ejecutivas incluidas.
 
Lundgren, en su intervención en el World Retail Congress 2017, en Dubai, sintetizó en tres las claves que pueden llevar a los formatos brick & mortar a despertar de nuevo la demanda.  Producto exclusivo y diferenciado; experiencias en tienda emocionantes e inversión en comercio electrónico, con tecnología en ambos canales, digital y físico, impulsando el tráfico  entre canales, del online al offline y en el sentido contrario. Considerados no canales únicos e independientes, sino desde el punto de vista del cliente, un cliente en este caso sí único y todo canal.
 
Ejemplos en retailers españoles con iniciativas en el buen camino comienzan a verse. Los nombres, y las experiencias concretas, los ponemos en próxima ocasión. De momento, dejamos el mensaje. Lo que más asusta del cambio no es el cambio en sí mismo, sino su velocidad. Hay menos cambios de lo que parece en los elementos básicos.
Las mayores innovaciones en retail suponen también grandes dificultades. Pero “los desafíos actuales a los que se enfrentan los retailers, también representan oportunidades para un cambio emocionante”. De nuevo, la cita es de Terry Lundgren.
 
Fonte: Distribucionactualidad.com

Walmart compra Bonobos por US$ 310 milhões

A mais recente aquisição de comércio eletrônico da Walmart será a Bonobos por US$ 310 milhões.
Dive Brief
– A mais recente aquisição de comércio eletrônico da Walmart será uma aquisição do Bonobos por US$ 310 milhões em dinheiro, um acordo onde há rumores há meses, anunciou a gigante de varejo de tijolo e argamassa nesta sexta-feira.
 
– Ao contrário de muitas startups, Bonobos, foi fundada em 2007 pelos co-fundadores Andy Dunn (que em 2015 voltou como CEO) e Brian Spaly (que fundou o Trunk Club e este ano deixou o serviço de portaria, agora de propriedade da Nordstrom) gera lucro e goza de US$ 150 Milhões de vendas anuais, levando cerca de US$ 127 milhões até a data de investidores, incluindo Accel Partners, Lightsped Venture Partners e Nordstrom.
 
– Dunn continuará a supervisionar a coleção Walmart de marcas verticais nativas, informando o  chefe de comércio eletrônico dos EUA, Marc Lore , de acordo com um comunicado de imprensa da Walmart . A startup junta-se ao revendedor de sapatos on-line Shoebuy (um desafio para o Zappos da Amazon), o varejista on-line Moosejaw e o vendedor de roupas femininas online Modcloth em uma série de aquisições pelo gigante de varejo de tijolos e argamassa sob o Lore desde a compra de US$ 3,3 bilhões De Lore’s J et.com no ano passado.
  • Dive Insight:
    O retorno das aquisições recentes da Walmart, a partir do Jet, foi rápido: em seu trimestre mais recente, as vendas de comércio eletrônico da Walmart cresceram 63% com um aumento de 69% no volume bruto de mercadorias digitais. Mas os novos números que a Wal-Mart está oferecendo no espaço digital não são apenas graças ao Jet ou ao algoritmo de preços amplamente anunciado. O ladrão e a argamassa, firme, com o fundador da Jet, Marc Lore, como chefe do comércio eletrônico dos EUA, também tem engolido os varejistas especializados de puro desempenho em um clipe rápido.
  •  
    Essas novas marcas ajudam o Walmart a melhorar a experiência dos clientes existentes e a ampliar seu alcance para novos clientes, disse Ravi Jariwala, diretor sênior de relações públicas no Walmart.com, no varejo no mês passado. Os Bonobos, em particular, ramificaram-se em tijolos e  argamassa , criando Guias Bonobos  que oferecem oportunidades para ver, sentir e experimentar roupas; Bonobos agora tem 35 guias em todo os Estados Unidos e em 118 lojas Nordstrom e em Nordstrom.com.
    “Estamos vendo o impulso no negócio, enquanto expandimos nossa proposta de valor com os clientes e é incrível ver o quão rápido estamos nos movendo”, disse Lore em um comunicado na sexta-feira. “Adicionar inovadores como Andy continuará a nos ajudar a moldar o futuro do Walmart e o futuro do varejo. Estou emocionado de receber Andy e toda a equipe Bonobos. Eles criaram um incrível produto e experiência do cliente, e isso não vai mudar. Na verdade, Andy terá uma grande influência na empresa, especialmente na liderança de nossa coleção de marcas exclusivas oferecidas on-line “.
  •  
    Por parte de Dunn, a aquisição é uma oportunidade de trabalhar com um mentor e “tornar-se líder de mercado em todos os modelos masculinos premium”,  escreveu Dunn em uma postagem de blog . “Marc é o melhor do mundo na construção de propriedades de comércio eletrônico de marcas terceiras de terceiros. Ele e eu vamos agora alavancar nosso know-how combinado e, com a maior empresa do mundo atrás de nós, assumir a criação do líder vertical e – plataforma comercial.
  •  
    Esses novos clientes estão em grupos demográficos que geralmente não freqüentam lojas Wal-Mart; O cliente médio do Wal-Mart é menos rico e bastante mais velho que aqueles que normalmente fazem compras no Target e Amazon. A empresa teve dificuldades no passado para além da base principal.
  •  
    Além de mais vendas digitais e uma base de clientes expandida, as startups estão fornecendo talento e tecnologia, Keith Anderson, vice-presidente de estratégia e insights da empresa de inteligência de varejo Profitero, disse ao Retail Dive. “Eles têm acesso a marcas, equipes de compras … eles têm comerciantes e engenheiros de software que não podem se mudar para Bentonville ou Silicon Valley”, disse ele. “Provavelmente tem tanto a ver com a criação de um pouso seguro para as empresas que não tinham um caminho para a frente como entidades independentes, mas tinham uma boa autoridade de pesquisa”.
  •  
    De fato, como o papel planejado pela Dunn no Walmart, o CEO da Shoebuy, Mike Sorabella, agora lidera calçados para todo o comércio eletrônico da Wal-Mart, incluindo Jet.com e Walmart.com, enquanto o CEO da Moosejaw, Eoin Comerford, também administra o e- Comércio vertical. Isso significa que as marcas que podem querer vender através do Wal-Mart também aumentaram as oportunidades, com opções para vender através de um site ou outro (ou mais), disse Jariwala.
  •  
    O Walmart deixou claro que as marcas continuarão como sites autônomos, e os executivos dessas empresas buscaram garantir clientes fiéis que pouco mudarão. E não é provável que, Kelly-Jo Sands, vice-presidente de tecnologia de marketing da empresa de marketing Ansira, disse ao Retail Dive. “Se você amarrar [Wal-Mart e Modcloth] muito perto, você pode ver uma jogada fanática, mas você também pode ver as expectativas de que os preços baixem”.
  •  
    É improvável que as novas marcas participem de algumas das soluções de comércio eletrônico da Lore. Para combater os altos custos de entrega da última milha, por exemplo, o Wal-Mart agora oferece descontos em itens comprados em linha, mas armazenados . Embora seja muito provável que muitos clientes da Bonobos ou Modcloth vivam perto de uma  loja Wal-Mart , no entanto, oferecer uma remoção na loja poderia convidar alinhamentos de marca e preço para o “preço sempre baixo”.
  •  
    Fonte: Retail Dive

Seis shoppings e um destino: Multiplan, Iguatemi ou Aliansce?

As maiores empresas de shoppings do Brasil estão às vésperas de uma movimentação que pode simplesmente mudar a relação de forças que impera no setor.
 

Por Geraldo Samor
Enquanto o mercado foca no que está na cabeça da BR Malls, as maiores empresas de shopping centers do Brasil estão às vésperas de uma outra movimentação que pode quebrar tabus ou simplesmente mudar a relação de forças que impera no setor.

Há pelo menos seis meses, um consórcio de investidores internacionais negocia discretamente a fusão de um portfólio de shoppings — incluindo ícones como o Pátio Higienópolis e o Rio Sul — com uma das grandes administradoras listadas na Bovespa.

No momento, os investidores trabalham com um short list que inclui Multiplan, Iguatemi e Aliansce, mas a operação parece ter perdido velocidade depois que Joesley Batista privatizou os lucros e socializou o prejuízo (literalmente) com sua delação premiada.

A carteira de shoppings — que inclui ainda o Pátio Paulista, o Madureira Shopping, o Raposo Shopping e o West Plaza — vale cerca de R$ 3 bilhões e pertence a um grupo de investidores que inclui o PSP (Public Sector Pension Investment Board) do Canadá, a própria Brookfield, o GIC, fundo soberano de Singapura, e outros acionistas menores.

Parte do portfólio tem origem no pacote de ativos que o grupo Malzoni vendeu à Brascan em dezembro de 2007, quando o Brasil ainda era quente e a vida corporativa, bela.

Na ocasião, a Brascan Brazil Real Estate Partners pagou R$ 1,5 bilhão (US$ 1,1 bilhão à época) por fatias que Paulo Malzoni — o criador da Rede Plaza — detinha em vários shoppings: 70% no Shopping Paulista, 50% do West Plaza, 40% no Pátio Higienópolis, 40% no Botafogo Praia Shopping e 33% do Shopping Vila Olímpia, então em construção.

Foi o maior negócio de shopping centers realizado no País até então, mas, como toda transação feita no pico do mercado, o preço pago logo ficou debaixo d’água.

Agora, o objetivo dos investidores não é vender os ativos, e sim fundir esta carteira com o portfólio de uma das três empresas, gerando sinergias óbvias e alinhando-se a um operador competente e disposto a crescer.  “Eles não querem dinheiro, querem continuar investindo no setor no Brasil,” diz uma fonte próxima às negociações.

Ao contrário do que se imagina, a preferência dos investidores não é participar da estrutura societária das holdings de shoppings listadas na Bovespa.  Segundo uma fonte próxima aos investidores, para atingir eficiências fiscais e evitar a marcação a mercado dos ativos, eles preferem a criação de uma holding não-listada que contenha todos ou uma boa parte dos shoppings que hoje são controlados pelo parceiro a ser escolhido.  É com esta holding não-listada que o ‘portfólio Brookfield’ seria fundido.

Para qualquer uma das três companhias na lista final, a transação apresenta desafios e marcaria um divisor de águas.

Para começar, por mais sexy que pareçam, fusões no setor de shoppings brasileiros são raras: a maioria das grandes empresas foi criada à imagem e semelhança de seu fundador e tem um perfil de ativos próprio, que raramente se misturaria com o dos concorrentes.

Mas estes são tempos extraordinários.
Com um portfólio desta relevância em jogo e o Brasil atravessando uma crise épica, a hora de fazer um movimento mais agressivo no tabuleiro do Banco Imobiliário pode ter chegado — se é que alguém consegue enxergar além do jantar de hoje ou do almoço de amanhã.

Para José Isaac Peres, uma fusão com o grupo liderado pela Brookfield seria a primeira vez que a Multiplan compra ativos no atacado, em vez de desenvolvê-los dentro de casa sob o olhar detalhista do dono.  Decano dos empreendedores do setor, Peres certamente já viu o movimento estratégico que a transação viabiliza: ao conseguir botar dentro de casa o Pátio Higienópolis, o Pátio Paulista e o Rio Sul — que além de bons ativos financeiros são shoppings icônicos — a Multiplan consolidaria seu controle sobre shoppings classe A no eixo Rio-São Paulo.

Para a família Jereissati, controladora da Iguatemi, o desafio da fusão seria dividir o poder político mais equanimemente com os novos sócios — o que nunca foi o forte da família.

O terceiro candidato é a Aliansce, provavelmente a empresa que mais teria a ganhar com a operação.  Apesar de deter um portfólio com presença nacional, a Aliansce ainda não tem uma presença robusta no mercado paulista, uma situação que mudaria com a fusão.  Além disso a empresa, que vale R$ 3,4 bilhões na Bolsa, dobraria de tamanho.

Renato Rique, o CEO da Aliansce e um veterano do ramo de shoppings, tem apenas 11% da companhia e a controla por acordo de acionistas.
Rique tem demonstrado inclinação para fazer deals.  Ano passado, o Canadian Pension Plan Investment Board (CCPIB) comprou a parte da General Growth Properties (GGP) na Aliansce, e hoje tem 38% da empresa.  Em seguida, Rique chamou um aumento de capital para financiar a compra de 25% do Shopping Leblon, e atraiu para a base acionária a Jaguar Growth Partners, uma gestora de private equity fundada por ex-executivos da Equity International. A Jaguar hoje tem 5% da Aliansce.

Num jogo tão disputado, o critério de desempate será o valuation que cada empresa atribuir ao portfólio Brookfield — mas acima de tudo a percepção, por parte dos investidores, do valor do portfólio do pretendente. “São três rapazes com atributos e dotes diferentes, mas quem escolhe é a noiva”, diz uma fonte.

Em seu site, a Multiplan se orgulha de sua ‘ousadia e criatividade em 40 anos de história’.  As próximas semanas vão mostrar se o Dr. Peres acha que é hora de ‘ousadia’.
 
Fonte: Brazil Journal

Amazon compra Whole Foods por US$ 13,7 Bilhões

A Amazon irá adquirir a Whole Foods Market por US$ 13,7 bilhões, um negócio que catapulta a gigante do e-commerce p/ o negócio de supermercado nos EUA.
 
A Amazon irá adquirir a Whole Foods Market por US$ 13,7 bilhões, uma bomba de um negócio que catapulta a gigante do e-commerce para o negócio de supermercado com centenas de lojas em todo os EUA.
 
A Amazon concordou em pagar US$ 42 por ação em dinheiro para a cadeia de alimentos orgânicos, incluindo dívidas, um prêmio de aproximadamente 27% ao preço das ações no fechamento de quinta-feira. John Mackey, co-fundador da Whole Foods, continuará a gerir o negócio – fornecendo uma linha de vida ao executivo agredido após uma briga com o investidor ativista Jana Partners. 
 
O acordo envia uma onda de choque em ambas as indústrias online e de tijolo e argamassa, unindo duas marcas que não eram vistas como parceiros óbvios. Mas a Whole Foods ficou sob pressão para encontrar um comprador este ano depois que a Jana adquiriu uma participação de mais de 8% e começou a pressionar por uma compra. O movimento de Jana irritou Mackey, que se referiu a Whole Foods como seu “bebê”. Ao alistar a Amazon, ele consegue manter seu emprego como diretor executivo da cadeia de compras.
As ações da Whole Foods subiram 27 por cento para US$ 41,99 às 10 da manhã em Nova York, aproximando-as do preço da transação. As ações da Amazon ganharam 3,2 por cento para US$ 995.

Entrega de cinco minutos?

Para a Amazon, o acordo é mais sobre como obter uma rede de distribuição de mantimentos, disse Michael Pachter, analista da Wedbush Securities Inc.. Passou anos tentando invadir mantimentos, mas não teve sucesso em outras categorias.
A Amazon já contemplou uma aquisição da Whole Foods no outono passado, mas não perseguiu um acordo, disse uma pessoa com conhecimento da situação. A empresa de comércio eletrônico revisitou a idéia depois que Jana entrou.
 
“A Amazon claramente quer estar no supermercado, acredita claramente que uma presença física dá-lhes uma vantagem”, disse Pachter. “Eu assumo que a presença física lhes dá a capacidade de distribuir outros produtos mais localmente. Então, teoricamente, você poderia receber uma entrega de 5 minutos. “
 
A transação também pode ajudar a Amazon Instacart Inc., uma startup que entrega pedidos de supermercado de lojas Whole Foods em mais de 20 estados e Washington, DC.
 

Ofertas anteriores

A maior aquisição da Amazon anunciada até o momento chegou em 2014, quando concordou em comprar o serviço de videogame Twitch Interactive Inc. por US$ 970 milhões em dinheiro, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. A empresa com base em Seattle tinha cerca de US$ 21,5 bilhões em dinheiro e equivalentes no final de março, segundo o informe de dados.
 
“Milhões de pessoas adoram o Whole Foods Market porque oferecem os melhores alimentos naturais e orgânicos, e eles fazem com que seja divertido comer saudavelmente”, afirmou o presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos, em um comunicado.
 
A aquisição está prevista para ser concluída no segundo semestre do ano, com a sede da Whole Foods em Austin, Texas.
 
Jana havia pedido que Whole Foods revisasse suas operações e trouxesse especialistas em varejo e alimentos para ajudar a promover uma reviravolta. Em uma entrevista com o Texas Monthly que aconteceu no início desta semana, Mackey irritou a campanha de Jana.
Ele se referiu a Jana como “bastardos gananciosos” que só estavam interessados ​​em lucrar com uma venda forçada de Whole Foods.
 
“Essas pessoas, elas querem vender o Whole Foods Market e fazer centenas de milhões de dólares, e eles precisam saber que eu vou resistir a isso”, disse Mackey na entrevista .”Esse é meu bebê. Eu vou proteger meu filho, e eles devem o matar papai se quiserem conquistá-lo.”
 
Fonte: Bloomberg

Amazon pode adquirir Livraria Saraiva

A nova incursão da Amazon pode se dar no varejo brasileiro.
 
A nova incursão da Amazon pode se dar no varejo brasileiro. Segundo informações do site O Antagonista publicadas nesta terça-feira, a Amazon pretende adquirir a rede de Livrarias Saraiva, numa operação de cerca de US$ 200 milhões.
 
Os rumores que a Saraiva seria vendida para a Amazon fez suas ações dispararem hoje 21,6%, com os papeis terminando o pregão da BM&FBovespa cotados a R$ 5,40.
 
A rede de livrarias Saraiva possui cerca de 100 lojas e também atua no segmento de comércio eletrônico. Apurou receita bruta de R$ 1,9 bilhão em 2016. O valor de mercado da rede hoje é de R$ 130 milhões.
 
Com a aquisição sendo confirmada, a Amazon teria acesso a 100 lojas pelo Brasil, em pontos com alto tráfego de clientes e reforçaria sua estratégia de retirada de produtos em lojas.
 
Uma fonte que não quis se identificar foi consultada pela Bloomberg e afirmou que as conversas estão em andamento. O objetivo da aquisição seria usar a base da Saraiva para crescer dentro do Brasil.
 
Fonte: com informações do site O Antagonista, Valor Econômico, Extra e Bloomberg.